Nestor Tenório de Oliveira

Edição: Phablo Monteiro - Fonte: José Alves Filho (Livro: Usina Ouricuri de Manoel Tenório ao MST)  Homenagem

 

Nascia em 14 de junho de 1907, Nestor Tenório de Oliveira. Filho do Major Manoel Tenório e da Sra. Virgínia Tenório. Seu avô, o Coronel João Evangelista da Costa Tenório, foi Prefeito de Atalaia de 1910 a 1912. Seu tio, o Major José Tenório, foi Prefeito de Atalaia por dois mandatos (1951 à 1956 e de 1962 à 1966). Seu irmão, Nelson Tenório assumiu o cargo de Senador da República em 1962.

Como aponta o autor José Alves Filho, em seu livro Usina Ouricuri de Manoel Tenório ao MST: "...em função do tempo dedicado à usina, Nestor se sacrificou para que os demais irmãos estudassem. Por isso mesmo, foi o que estudou menos. Enquanto os irmãos estudaram nos melhores colégios, ele limitou-se aos estudos na própria usina".

Com 24 anos, Nestor Tenório casa-se com a Sra. Maria Rosa Ferreira, mais conhecida como Lolita, tendo com ela nove filhos: (Miriam, Reinaldo, Ronaldo, Sofia, Mariluza, Talvanes, Ângela, Nestor e Iara). Teve ainda três filhos de um relacionamento anterior: Nereu, Nery e Nazaré. Além de criar como filha, a Verônica. Entre seus filhos, destaque para a filha mais velha Miriam Tenório Lucena, escritora e seu filho Nestor Ferreira, Ex-Vereador de Atalaia, chegando a exercer a Presidência da Câmara Municipal no ano de 1977 a 1978.

Foi político de destaque no município de Atalaia, exercendo grande influência política. Foi o vereador que por mais tempo presidiu a Câmara Municipal. Esteve a frente do Legislativo Municipal de 1953 a 1965 e em 1967.

O escritor José Alves Filho, em seu Livro Usina Ouricuri de Manoel Tenório ao MST, descreve-o como: "Homem de hábitos simples, não gostava de badalações, encontrava na pesca e na caça uma forma de lazer. Vivia rodeado de cachorros perdigueiros, gatos e passarinhos. Uma das manias era fazer palitos de dentes com galhos de jurubeba. Vivia fazendo palitos!".

Uma das grandes paixões de Nestor Tenório era o futebol. Torcedor do CSA, mas dedicava zelo ao ECO (Esporte Clube Ouricuri). Não perdia uma partida do ECO. "Todo domingo, à tarde, estava ele lá sentado em uma pedra que ficava próxima a linha divisória do campo, torcendo, gritando, xingando e batendo com sua bengala nas pernas dos que ousavam ficar em sua frente, impedindo-o de vê o jogo", José Alves Filho (2012, p. 106, 107).

Nestor Tenório perdeu parte do braço esquerdo em decorrência de um acidente de carro, na noite de 21 de janeiro de 1950, em uma viagem que fazia à Maceió.

No começo dos anos 60, com a morte do Major Manoel Tenório, a presidência da empresa ficou com o Dr. Nelson Tenório. Porém, como irmão mais velho, Nestor Tenório exercia forte ascensão sobre os demais, sendo assim, o grande responsável pela evolução da Usina Ouricuri como produtora de cana.

Em 1974 Nestor Tenório foi acometido por um câncer em um dos rins. Em decorrência dessa enfermidade, morreu no dia 22 de agosto de 1975, aos 68 anos.

José Alves Filho (2012, p. 122) relata em seu livro que "a notícia de sua morte foi motivo de muita comoção e tristeza por parte de familiares e operários, que encontravam naquele homem simples e carismático, o apoio para as suas necessidades mais urgentes. O corpo chegou à usina no inicio da noite do dia 23 e foi velado no velho sobrado, de onde partiu para ser sepultado no cemitério da fazenda Triunfo".


Mais Histórias