Luiz Vigário

Edição: Phablo Monteiro - Texto: Professor Ézio Lima  Homenagem

 

Amigo dos menos favorecidos, “Luiz Vigário”, como era carinhosamente chamado pelo povo atalaiense, sempre dirigiu sua vida tendo como base a honestidade, o trabalho e a humildade, desempenhando sua luta política em busca do desenvolvimento, da liberdade e do progresso de sua terra, que sempre procurou engrandecer.

Ainda hoje os mais antigos sofrem a irreparável perda de um dos maiores políticos e líderes que Atalaia já produziu. Seu falecimento ocorrido no dia 22 de dezembro de 1978 deixou uma lacuna entre os que tiveram o privilégio e a felicidade de privar de seu convívio, só agora preenchida por seu filho Chico Vigário.

Filho do Sr. Francisco de Albuquerque Pontes (Major Vigário) e de D. Antonia Meira dos Santos, Luiz Vigário nasceu no dia 14 de agosto de 1927 e casou com D. Ceci Melo de Albuquerque, de cujo matrimônio nasceram 9 filhos: Tânia, Telma, Tâmara, Tamar, Tereza, Francisco, Fernando, Luiz Júnior e Fábio. Luiz Vigário pertenceu à Loja Maçônica ‘Virtude e Bondade’, tendo participado ativamente das atividades maçônicas alcançando o Grau de Mestre Maçom.

Agricultor e proprietário da Fazenda Retiro, ingressou na vida política sendo eleito vereador por 3 legislaturas, onde ocupou vários cargos, inclusive sendo eleito por unanimidade Presidente do Poder Legislativo Atalaiense. Em 1969, candidato a Prefeito pelo antigo MDB, derrotou seus adversários com ampla diferença de votos. Em apenas 3 anos de mandato destacou-se por seu excelente trabalho como administrador, realizando obras de grande vulto como: a construção de 7 grupos escolares, efetuou a reforma administrativa da prefeitura municipal, a construção do atual Mercado Público, aquisição de mais de 3 mil títulos para a Biblioteca Municipal (que não mais existe), a urbanização e pavimentação do Bairro do Girador, pavimentação das 2 ladeiras que dão acesso à Cidade Alta (local onde teve início a sede do município), aquisição de máquinas e veículos para a prefeitura.

Ainda pelo Movimento Democrático Brasileiro-MDB-, em 1976 candidatou-se novamente a Prefeito, conseguindo mais uma vez derrotar seus adversários da ARENA com 4.528 votos contra 2.202 dos outros candidatos, ocasião em que ocorreu um fato inédito na política alagoana, pois ganhou de seus adversários em todas as urnas existentes no município, o que demonstrou a sua posição de liderança incontestável.

O exemplo que o Prefeito Luiz Vigário deixou não pode ser enterrado com ele. Luiz Vigário foi um político singular por diversas razões. Em primeiro lugar, tinha visão da política de sua terra, essa qualidade difícil de definir que separa os homens públicos realmente indispensáveis, daqueles tacanhos e egoístas. Graças a isso, sabia pôr o interesse público à frente das conveniências pessoais. Era capaz de abdicar de posições longamente acalentadas, se a realidade e o interesse coletivo assim o exigissem.

Sua passagem entre nós nos obriga a olhar em torno e reconhecer a falta que ele faz. No momento político que o país atravessa, é mais fácil colher exemplos do comportamento oposto: mesquinhos interesses pessoais e partidários ganham precedência sobre o bem público; vencer a próxima eleição é mais importante do que trabalhar com seriedade para resolver os enormes problemas do município.

Luiz Vigário era capaz de mudar, apesar de ter sido um homem reconhecidamente leal. Mas nem por isso deixou de ser fiel às suas idéias ou de ter a coragem necessária para defendê-las. Sobressaiu-se num quadro em que era comum, a falta de compromisso com o eleitor e o exercício da política entendido como simples rota de acesso ao poder e às vantagens que o poder traz. Luiz Vigário pautou sua vida pública pela preocupação com a  transparência e a honestidade.

Também soube equilibrar as diferentes posturas exigidas de um homem público ao longo de sua carreira. Luiz Vigário andou no limite em sua trajetória política, mas soube perceber o momento de parar, refletir e observar. Jamais ultrapassou as fronteiras da decência. E é também por isso que seu legado não pode, não deve ser enterrado junto com ele. Deve conservar-se entre nós como algo exemplar e necessário.

Sendo a franqueza a mais incontrolável de suas qualidades, não foi sem penas que angariou o cacife moral que acumulou. Mas era do tipo de homem que não se importava de pagá-las, o que, sem premeditação, lhe garantia antecipadamente o perdão dos amigos contrariados e o respeito e o reconhecimento dos adversários.

"Meu pai foi o maior político da história de Atalaia..." "Estou nesta cadeira de Prefeito, graças a uns amigos que me ajudaram, graças a nossa força de vontade, graças a população atalaiense que confiaram em mim, mas a cima de tudo, estou aqui por causa dele..." "Tenho certeza que ele está torcendo para que esse município cresça e desenvolva, pois era esse o grande propósito dele..." "Ele nunca baixou a cabeça para as pressões políticas..." "Gostaria que futuramente quando se falasse em Chico Vigário, associasse algo de bom que ele herdou e aprendeu com seu pai Luiz Vigário..." "Eu não me orgulho de ser Prefeito, mas me orgulho muito de ser filho de Luiz Vigário..." Prefeito de Atalaia Chico Vigário

Mais Histórias