RECORDAÇÕES... SAUDADES DO CINE FÊNIX

 

Por: Getúlio Pereira Leite - Texto publicado no Jornal Folha Atalaiense da saudosa Vandete Pacheco

Edição: Phablo Monteiro - Fonte: Jornal Folha Atalaiense  Historia&Cultura

"O cinema só chegou em Atalaia em 1914. O Sr. Ernesto Lopes foi quem instalou a primeira empresa cinematografia no sobrado do Sr. Lopes Vieira – o Cinema Clube. Projetava filmes mudos, geralmente italianos, acompanhados por uma pianola tocada por Ernesto Lopes, filho do empresário de apenas 10 anos de idade.

Tinha motor próprio de iluminação, pois ainda não havia luz elétrica em Atalaia. A montagem do cinema, com o motor de iluminação, aparelhagem, pianola e 180 cadeiras custou a vultosa quantia de dez contos de réis. O ingresso só era possível aos ricos, pois custava 200 réis. Mais tarde Ernesto Lopes fundou o Cine Fênix". Texto retirado do Livro Atalaia Último Reduto dos Palmarinos, da saudosa escritora e historiadora Vandete Pacheco.

Em entrevista ao Blog Graciliano on-line, em maio de 2012, o Coordenador do Cine SESI, Marcos Sampaio, comentou que: "Minha paixão pelo cinema vem da infância, do Cine Fênix em Atalaia, das sessões da tarde na TV, em uma época em que se assistiam clássicos neste horário, desde musicais com Fred Astaire, comédias com Jerry Lewis, western com John Wayne, entre outros".

Por: Getúlio Pereira Leite*

Texto publicado no Jornal Folha Atalaiense da saudosa Vandete Pacheco

Quem não já ouviu a seguinte pergunta: você gosta de cinema? Com certeza que sim, pois o cinema continua sendo, ainda, a melhor diversão. É uma forma de arte e entretenimento das mais populares existentes no mundo. Ao mesmo tempo é uma das mais importantes fontes de informação. Pode nos transportar ao passado histórico. Os pesquisadores da chamada sétima arte escreveram que o cinema teve seu começo no final do século passado.

Houve uma fase em que o cinema era mudo, isto é, aquele em que a projeção não vêm acompanhada de som. Hodiernamente, o cinema além de falado tem uma técnica espetacular de efeitos sonoros. Quem gosta de cinema passou a dispor, atualmente, com o advento do vídeo cassete (DVD, Bluy-Ray), do conforto de assistir em casa seus filmes preferidos.

O show vai começar. Há diversos gêneros de filmes: Aventura, Comédia, Didático, Documentário, Esporte, Drama, Erótico, Pornográfico, Forense, Ficção Cientifica, Guerra, Histórico, Horror, Infantil, Musical, Policial, Suspense, etc. Quem não se lembra de ter assistido aos famosos filmes da 20 Th CENTURY FOX, UNIVERSAL, METRO GOLD WYN MAYER E PARAMOUNTO, que marcaram época no cenário mundial, tais como: CASA BLANCA, E O VENTO LEVOU, A NOVIÇA REBELDE, POR QUEM OS SINOS DOBRAM, A UM PASSO DA ETERNIDADE, CLEÓPATRA, OS DES MANDAMENTOS, OS BRUTOS TAMBÉM AMAM, NO TEMPO DAS DILIGÊNCIAS, A PONTE DE WATERLOO e etc.

Quem não se lembra dos famosos astros e estrelas de Hollywood: O Gordo e o Magro, Charles, Cantinflas, Mazaropi, Ankito, Grande Ortelo, James Dean, Marlon Brando, Paul Newman, Elvis Preslay, Robert Redford, Marcelo Mastroiani, Clark Gable, Robert Taylor, Rock Hudson, Frank Sinatra, Elizabeth Taylor, Brigitte Bardot, Sophia Loren, Jane Fonda, Greta Garbo... e tantos outros.

Tudo isso tivemos a felicidade de assistir no saudoso Cine Fênix de propriedade do Sr. Pedro Lopes de Vasconcelos, na década de 1950 e início de 1960, na inesquecível Atalaia. Que tempo bom aquele! Ficávamos ansiosos para saber se o filme havia chegado. O Zé Benedito era quem ia à Estação Ferroviária para recebê-lo. A equipe do Cine Fênix era formada por Seu Pedro Lopes, D. Geruza (esposa), Zé Benedito, Manoel Valdevino, Pedrinho, João da Geruza (gostava de imitar Bob Nelson), bem como pelos bilheteiros nos fins de semana, José Correira Filho (Sec. do Ginásio N. Sª das Brotas e Vereador, atualmente aposentado do INSS) e Ciro Rego Cabral (Fiscal e Superintendente aposentado do IAA – Instituto do Açúcar e Álcool).

Impreterivelmente às 19:00 h ouvíamos a sirene tocar a 1º chamada; às 19:30 h a 2ª e, finalmente às 19:45 h a última chamada. O espetáculo vai começar. Os frequentadores como Eu, o Manu, Zé Jusino, Jerônimo Cabral, Deca Miranda, Pedro Leandro (Curió), Luiz Bittencourt (Cequeta), José da Granja, Dr. Wild Silva, Zeca da Maroca, Camelinho, Zé Morais (Pintor), Célio, D. Dirce, D. Suzana, Delamar, George Raposo, Dindo, Lisboa, Ernesto Lopes o patriarca da família Lopes e tantos outros que a memória me falha, tinham seus lugares marcados. Nos fins de semana, aí sim, tinham que entrar no cinema logo cedo, visto que o mesmo ficava lotado com o pessoal que vinha dos povoados, fazendas e usinas de açúcar. Tinha os “aproveitadores” que deixavam para entrar quando o filme ia começar a fim de marcarem “cartão” em pé. Vale lembrar os cartazes que o Sr. Pedro Lopes colocava à entrada do cinema anunciando para BREVE os famosos filmes e seriados. O Cine Fênix servia, às vezes, aos domingos à tarde, para os “programas de calouros” do Saly, noivo da Zora. Lembro-me dos músicos da época: Lindô, Zé Marinho, Babá e Tonho do Seu Osvaldo. Vez por outra, aparecia o Regional dos professores do CAST da Rádio Difusora de Alagoas (a primeira do Estado).

Além de proprietário do cinema, o Sr. Pedro Lopes era dono da Empresa Elétrica Santa Terezinha antecessora da CEAL. Atalaia muito deve a este ilustre conterrâneo, que serve de exemplo a essa nova geração de atalaienses.

*Getúlio Pereira Leite – Aposentado do Banco do Brasil e Advogado da UFAL.

Atalaienses Ilustres