Educadores voltam a ocupar as ruas de Atalaia para cobrar a regularização dos salários

Edição e Fotos: Phablo Monteiro 13/09/2016 23:00  Cidade

 

Em mais uma manifestação organizada pelo Sindicato dos Educadores de Atalaia (SEATA), dezenas professores, acompanhados por aposentados e funcionários de outros setores, saíram pelas ruas da cidade na manhã desta terça-feira (13), para reivindicar o pagamento do salário de agosto, do salário de setembro de 2014, além de décimos e terços das categorias.
 
A manifestação teve inicio com a realização de uma Assembleia Ordinária iniciada às 08 horas na Praça Padre Cícero, em frente a Escola Municipal Joaquim Fortunato Bittencourt Filho. Com o fim da Assembleia, os educadores, aposentados e demais funcionários, seguiram em direção a parte baixa da cidade onde encerrariam a manifestação na sessão da Câmara Municipal, que chegou a ser aberta, mas logo encerrada por falta de quorum.
 
A pauta da reivindicação é praticamente a mesma desde a gestão do ex-prefeito Professor Mano e que vem acompanhando o mandato do atual gestor, onde a classe vem solicitando a regularização dos salários, com pagamento até o último dia do mês trabalhado, a regularização dos pagamentos do décimo terceiro na data de aniversário do servidor como manda a Lei Municipal, terço de férias, sexto, além da regularização dos pagamentos dos aposentados e pensionistas do município.
 
Um fato novo e que foi bastante destacado pelas lideranças do SEATA, foi o projeto de lei 04/2016, apresentado pelo Executivo, que em seu texto original prevê a concessão ou permissão de inúmeros serviços públicos à iniciativa privada. A classe vem se posicionando contrária a aprovação desse projeto, pois segundo eles, entre os efeitos negativos, poderia haver a não realização de concurso público, assim como a desvalorização da classe de funcionários públicos do município de Atalaia.

Em discurso durante a manifestação, a servidora aposentada da educação, Mirna Valéria destacou a necessidade de um maior respeito dos gestores com a classe. “Queremos de vocês (vereadores) apoio. Que vocês digam que esse povo de Atalaia deve ser respeitado. Eu, como aposentada, contribui e estou aqui por mérito próprio, pois trabalhei. Não vamos mais admitir que os nossos salários sejam defasados. Recebi nome de mentirosa quando fui reivindicar os meus direitos. Julho não é atraso? Agosto não é atraso? Eu sou aposentada, quero os meus direitos, eu tenho direitos. Que fique bem claro que não estamos aqui fazendo política. O que nós precisamos é do nosso ordenado, precisamos é de respeito, precisamos de dignidade e que as pessoas olhem para nós e digam que somos profissionais que lutamos para nossa cidade crescer”.

Mesmo não tendo sido realizada a sessão da Câmara, alguns vereadores acompanharam as reivindicações dos manifestantes e receberam um apelo dos educadores e aposentados, para que cobrassem o Executivo municipal, através de uma atitude mais condizente com o cargo de finalizadores que exercem, com o objetivo de que os responsáveis possam regularizar os atrasos que se tornaram mais efetivos durante este ano de 2016, evitando assim que ocorram perdas para os funcionários públicos do município.

“Se não regularizarem essa situação, em outubro é greve. Vocês vereadores que busquem uma solução, nem que seja a de afastar, pois se não tem capacidade de administrar que entregue. Nós não queremos mais é perder e vocês vereadores são representantes de 50 mil habitantes deste município e vocês também tem o compromisso e o dever de tomar uma decisão, uma postura, uma atitude e é isso o que o Sindicato dos Educadores vem pedir a vocês, pois todo o mal que venha acontecer, vocês também serão cúmplices desse mal”, comentou em seu discurso o presidente do SEATA, Professor Fábio.

Galeria de Fotos

Notícias Relacionadas